Follow by Email

Total de visualizações de página

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Entendendo o vinho

O vinho é o produto resultante da fermentação do suco da uva, sã, fresca e madura.
Apesar desta definição que traduz quanto ele é simples e natural, as pessoas que se aproximam do vinho e o adotam como sua bebida predileta para acompanhar refeições, aumentam o interesse em conhecer sobre suas origens, as uvas, as regiões, os tipos e as formas de guardá-lo e servi-lo.
O mundo do vinho cativa as pessoas e as envolve. Elas não serão mais as mesmas.
Ante esta situação, como adquirir maiores conhecimentos, quais são os passos básicos para que um simples apreciador se transforme num conhecedor médio?
É importante ressaltar que os conhecimentos não ajudarão a descobrir de que produtos gostar e sim das razões pelas quais se gosta.
O primeiro fator de conhecimento é o hábito de consumo moderado e freqüente já que somente assim os sentidos se acostumam a identificar as cores, aromas e sabores dos diferentes vinhos. O consumidor de vinhos é um apreciador progressivo natural por isso, muitos dos que iniciam com vinhos ligeiramente adocicados ou doces, passam com o tempo a apreciar somente vinhos secos e finalmente os tintos, mais complexos e fortes. É uma evolução natural que não exige conhecimentos. Exige educação do paladar acostumado a odores e sabores amáveis, geralmente adocicados.
Vejamos algumas recomendações para as pessoas que querem aprimorar seus conhecimentos:
1) Seja humilde, nunca ache que sabe tudo, aprenda sempre descobrindo novos vinhos, seja curioso.
2) Participe de cursos de degustação, eles ajudarão a entender o vinho e suas variáveis. Todas as pessoas possuem a mesma capacidade de “sentir”, de identificar sensações e por isso todas podem chegar a ser excelentes apreciadores a exemplo dos profissionais treinados. O problema não é sentir e sim interpretar.
3) Visite cantinas brasileiras e no exterior, conhecendo as instalações, as pessoas e suas propostas. Cada cantina tem sua proposta, seu estilo. As cantinas sérias o mantêm ao longo dos anos, ao final forma parte de sua “marca”. Conhecer essas propostas ajuda a escolher de forma mais segura e objetiva.
4) Adquira livros que falem das uvas e dos vinhos das mais variadas regiões produtoras. Através deles conhecerá onde, com que uvas e como são elaborados vinhos famosos como Barolo, Rioja, Chablis, Bairrada, Pomerol, Champagne e muitos outros.
5) Conheça pela ordem, os vinhos de seu país, os dos países vizinhos, os do continente e finalmente os de outras regiões mais distantes. Ninguém levará a sério um apreciador brasileiro que desconheça o que se produz em seu país. Não precisa necessariamente admira-los, mais sim conhece-los.
6) Por mais revolucionários que sejam os avanços nas novas regiões produtoras, o berço da vitivinicultura mundial continua sendo a Europa, em especial França, Itália, Espanha e Portugal. Conhecendo a vitivinicultura destes países será mais fácil entender a do resto do mundo.
7) Finalmente, e o mais importante, beba sempre moderadamente, por prazer, sem a preocupação de gostar de vinhos “da moda”, famosos ou caros. A satisfação de um encontro com o vinho pode estar num simples copo de vinho de mesa ou um fino envelhecido e robusto, desde que seja num ambiente acolhedor, na companhia de nossos afetos. Nada é mais benéfico para a saúde do corpo e da alma.

2 comentários:

dkcohen disse...

Parabens pelo Blog! Pela primeira vez leio algo que coloca em ordem as principais nocoes da cultura do vinho, de uma maneira acessiva, interessante e muito bem escrita.
Obrigado!
Luis Cohen
Israel

Marcos Alves disse...

Olá muito bom o poste excelente blog,tenho muitoas dúvidas relacionadas ao vinho,bom seria interessante se postace uma espécie de "manual introdutorio" sobre o vinho sabe dando dicas em que tipo de vinho começa os melhores lugares pra comprar e etc ,obrigado!