Follow by Email

Total de visualizações de página

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Assassinando o espumante


Agora foi a vez de meu amigo Peter Wolffenbuttel do blog Alem do vinho que traz outra novidade anunciada mundialmente: o decanter para oxigenar espumantes.

Transcrevo o texto explicativo:

“Estranho para uns, polêmico para outros, inútil para terceiros. Mas ele existe, sim. E é usado como na foto acima.
Utiliza-se um decanter para aumentar a área de oxigenação, assim “arrumamos” um vinho que se encontra fechado e com redução de oxigênio por longo tempo.

Vinhos tranquilos, brancos e tintos com mais de 05 anos de garrafa, sempre é recomendável a utilização deste auxiliar no serviço do vinho.

No champagne muito antigo visa-se o mesmo efeito. Não é para perder as bolinhas, o famoso perlage ou colar de pérolas, mas sim dar um medido “susto” de oxigenação no champagne que se encontra fechado tem tempo.

Uns podem achar estranho outros um sacrilégio, mas é usado ainda na França.

Tanto é verdade que a empresa Riedel, mestra e única na arte de fabricar taças e decanter para os vinhos já produziu um especialmente para estes casos.”


Como sempre afirmei o mundo do vinho é extremamente generoso, aceita de tudo, até algumas bobagens.

Cada um tem o direito de fabricar o que quer e as pessoas o direito de utiliza-lo, elogia-lo, admira-lo, ama-lo ou odiá-lo.

Eu somente digo que um "equipamento de serviço" que propõe "assassinar" um produto não pode ser levado a sério.

A ESSÊNCIA DO ESPUMANTE é o gás e seus efeitos.
Não é por nada que todos os que o produzimos procuramos incorpora-lo de forma lenta e gradual, de modo a que quando se manifeste o faça proporcionando ao apreciador aquela magia inigualável, única.

Ou por acaso há algo tão magnífico como o fino, lento e persistente perlage que além de produzir um efeito visual exuberante também tem a função de transportar os aromas até a boca da taça?

Afirmar que colocar o espumante num decanter provoca somente a oxigenação sem perda de gás é desconhecer o comportamento deste ao estar dissolvido num líquido.

A fotografia mostrada acima fala por si. Ou acham que essa espuma branca é efeito da respiração?

Se uma pessoa se incomoda pelo volume de gás de um espumante, que beba vinho tranquilo.

Se ainda assim se sente incomodado, que beba água mineral sem gás.

Se o gás num espumante é muito agressivo, que mude de marca ou método.
Geralmente o método tradicional, mais longo, proporciona espumantes com bolhas menores, menos agressivas ao paladar.

ESPUMANTE É PARA SER APRECIADO COM A PRESENÇA TOTAL DE SEU PRINCIPAL COMPONENTE: O GÁS CARBÔNICO.

Se não gosta, não beba.

Respeite-lo, tenha piedade dele, não o assassine, custou muito dinheiro e tempo elabora-lo.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Capital do Espumante?

Farroupílha planeja a realização do primeiro Festival do Moscatel e com isso cria a expectativa de transformar-se na Capital do Espumante deixando para trás Garibaldi, conhecida como Metrópole do Espumante.

Ao final Peterlongo começou a elaborar essa bebida em inicios do século passado, e insiste erradamente em chamar de Champagne, e no ano de 1981 o município realizou a memorável Festa Nacional da Champanha.

Mas, será que Garibaldi merece ser a Capital ou a Metrópole ou seja o que for?
Que faz Garibaldi para manter esse título honorífico?

NADA, ABSOLUTAMENTE NADA.
E por isso não surpreenderia que perdesse essa honraria ganha com o esforço inicial de Peterlongo que foi complementado nos anos setenta e oitenta por vinícolas que aqui chegaram.

A realidade é que não basta fazer uma festa a cada dois anos. Não basta ter folders, rotas temáticas, confraria do Espumante. É necessário demonstrar aos garibaldenses e principalmente aos visitantes que o espumante faz parte da cultura e da vida de Garibaldi.

É necessário que o visitante, ao chegar a nossa cidade, se sinta invadido pela cultura do espumante, possa consumi-lo em diferentes locais, com preços convidativos, saia daqui com a sensação que esteve no berço do espumante brasileiro.

Ao contrário, quem chega não tem onde comer, onde saborear pratos que harmonizem com o espumante, onde beber os diferentes tipos que existem, confortavelmente sentado, sendo bem servido, com explicações, recebendo toda a atenção que merece.

Tem as visitas às cantinas?
Sim, mas nelas ele é recebido de forma burocrática, por atendentes muito simpáticas e esforçadas que repetem o roteiro estabelecido quase que automaticamente.

Em repetidas visitas feitas pelos candidatos a prefeito do município sempre insisti na criação do calçadão no trajeto que une o Banco Bradesco om a ótica Bellini porque achei e acho que é a forma mais efetiva de criar um espaço para o espumante.
Com este espaço bem arborizado, com bancos, passeios, onde a decoração estimularia a caminhada e o consumo de espumantes na calçada, embaixo de sombrinhas ou pérgolas.
Seria um programa diário a disposição dos visitantes e obrigatório como ponto de encontro dos garibaldenses.
Até um local destinado a comercialização de espumante a preços promocionais poderia ter.

Que falta? Coragem e ideias claras sobre o papel que desempenhará agora e no futuro o bom espumante aqui elaborado que é motivo de orgulho de todos nós.

Fazer algo dá trabalho e demora em dar resultados. Não fazer nada é mais cómodo e menos arriscado. Até agora Garibaldi optou pela omissão.
Cuidado, Farroupilha bem aí...

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Parabéns Governo de São Paulo


Como era esperado, o Governo de São Paulo, pensando no futuro de seus cidadãos, aumentou o valor da MVA que resultará em aumento no valor da “mardita” ST que todos conhecemos como funciona.

Ou seja, o Governo terá mais recursos para gastar em obras inexistentes, desviar para campanhas políticas e continuar enriquecendo alguns “maus prestadores de serviços públicos”.

Ameaçaram dobrar o valor da ST, todo mundo ficou apavorado e ante o choro geral foram bonzinhos e aumentaram somente 13%. O valor do preço com impostos terá de ser multiplicado por 77% e não mais por 68,24 atuais.

Imagina, só isso?

Muitas pessoas reclamam do preço dos vinhos. Que podemos fazer ante esta situação que nos obriga a ter um sócio compulsório que leva agora quase 60% do preço final?

O ideal seria desfazer a sociedade, mandar embora, demissão por justa causa. O problema é um detalhe: É COMPULSÓRIO, ninguém quer, mas é obrigado a conviver com ele.

Infelizmente este custo adicional terá de ser repassado e a provável consequência seja queda de consumo e queda de arrecadação.

Ou seja, todos perderemos.

Parabéns ao Governo de São Paulo!!

ORUS: finalmente indo ao encontro de seus apreciadores


Iniciamos a fase de acabamento do lote 2013 de nosso espumante ORUS – Rosé Pas Dosé.

Em poucos dias ele será entregue às pessoas que fizeram reservas antecipadamente e chegará a nossos distribuidores em todo o Brasil.

Este lote foi avaliado por diferentes grupos e por tal razão podemos afirmar que está soberbo, pronto para oferecer maravilhosos momentos a quem o aprecie ou enfrentar o tempo junto aos menos apressurados.

Nas fotos mostramos o momento no qual mãos dedicadas e pacientes ajustam a medalhão metálico simples que o caracteriza e inicia “o vestido da garrafa”.



Em outra, algumas garrafas enfileiradas formando a composição de 628 unidades que nos deixarão, já com saudade.


Por último, e como coroamento de todo este esforço, mostramos como esse estúpido selo fiscal inventado por figuras proeminentes do setor vitivinícola brasileiro, quase estraga tudo.




Sucesso ao ORUS lote 2013!!

Felicidades e bons momentos para aqueles que o apreciem!!