Follow by Email

Total de visualizações de página

domingo, 17 de outubro de 2010

Ficou sem gás!!!


Como faço para que meu espumante não perda gás?
Posso consumir mais da metade da garrafa e beber o resto no dia seguinte?
Posso fechar-la e deixar-la deitada?

Todas estas dúvidas afligem as pessoas que começam a beber espumante mais freqüentemente e sofrem com a perda de gás. Já enfrentaram este problema com refrigerantes de litro, litro e meio, dois litros que não são consumidos totalmente. Neste caso se joga fora o “xarope horroroso” no qual se transformou porque ao final o preço dificilmente supera R$ 3,00. Já no caso do espumante não é somente o dinheiro que se joga fora, é o prazer desperdiçado com algumas taças perdidas. O que fazer, então?
Vamos primeiro entender melhor a relação gás – líquido, neste caso, gás carbônico e vinho base.
O gás carbônico dissolvido num líquido é diretamente proporcional à pressão exercida sobre esse líquido. Ou seja, se um espumante possui 5 quilos de gás dissolvido (ou 5 atmosferas de pressão), a pressão sobre o líquido, na câmara vazia mostrada nas figuras acima pela cor verde mais clara, deve ser exatamente igual para que não haja desprendimento.
Quando a garrafa está cheia e fechada a aparência é que não tem gás. Não forma espuma e o gás não se manifesta visualmente. A pressão da pequena câmara é igual à do espumante (figura A).
Quando abrimos tomando os cuidados já repetidamente recomendados, o desprendimento de gás se manifesta pela formação de espuma e desprendimento de gás mostrado pelo “perlage” que nada mais é do que o movimento das bolhas de gás até a superfície.
Quando bebemos uma ou duas taças e fechamos novamente a garrafa (figura B), o espumante desprende gás até que a pressão da câmara é idêntica à pressão do líquido.
De onde sai este gás? Bingo... do próprio espumante que naturalmente devido a esta “generosidade” fica com menos gás.A câmara irá ganhando pressão e o espumante deixará de formar espuma. Como o tamanho da cãmara devido ao pouco volume retirado ainda é relativamente pequeno, a perda serã mínima sem afetar o espumante.
Quando ao final, como mostra a figura C bebemos mais da metade e fechamos, a câmara vazia fica imensa e o volume de gás necessário para igualar as pressões é grande. De onde sai? Do espumante que fica com menos gás ainda.
Conclusão
Como faço para que meu espumante não perda gás?
Beba tudo. Não consegue sozinho? Busque companhia. Sempre haverá uma alma caridosa disposta e compartir uma garrafa de bom espumante. Caso não encontre compre meia garrafa.
Posso consumir mais da metade da garrafa e beber o resto no dia seguinte?
Lembre da Coca-Cola de litrão se sobrar pouco. Se o consumo for menor a metade e guardar na geladeira com feche hermético para consumir-la no dia seguinte, vai em frente.
Posso fechar-la e deixar-la deitada?
Não adianta caso o volume restante for pequeno.

5 comentários:

Jotta e Rosley disse...

Excelente postagem Lona! No nosso caso, não temos esse problema, pois seguimos seu conselho à risca, bebemos todo! Abraços!

Adolfo Lona disse...

Meus caros amigos Janilson e Rosley: É por isso que vocês permanecem jovens e bonitos!!!
Grande abraço e aguardo um convite para ir a Santa Maria e fazer um curso e beber todas...

Unknown disse...

Ora,ora, quem não consegue beber 1 garrafa de espumante sozinho não conhece as boas coisas da vida, como o Lona disse é fácil arrumar alguém, é só convidar que um ser de bom gosto aparecerá e quem sabe vamos abrir a segunda garrafa. Abraços

ANDRÉ OSCAR disse...

Saúde

ANDRÉ OSCAR disse...

A propósito, se não beber 1 gfa de espumante, faça melhor, beba 2