Follow by Email

Total de visualizações de página

quarta-feira, 21 de março de 2012

O alvo continua errado


Aproveitando o furioso debate ocasionado pelo inicio, a pedido das entidades de classe da vitinivicultura nacional, do estudo para a aplicação de salvaguardas no mercado de vinhos finos, quero aportar algumas considerações que são expressão da minha opinião, nada mais que isso:

1. O quadro acima mostra que o mercado cresceu nos últimos oito anos 85% ou quase 8% ao ano. Tudo indica que continuará crescendo em especial na base ou em vinhos com preços mais competitivos.
2. Nos mesmos oito anos, o crescimento dos vinhos importados foi de 175% ou quase 13,5% ao ano.
3. Neste mesmo período os vinhos nacionais caíram quase 14%.
4. Com este resultado a participação dos vinhos importados no mercado foi de 54% para 78%.
5. Desse crescimento de 5,1 milhões de caixas, 4,6 ou quase 91% foi de 4 países: Itália, Portugal, Argentina e Chile. Um rápido levantamento nas gôndolas de supermercados mostra um milagre digno de ser imitado: vinhos argentinos e chilenos vendidos a menos de R$ 10,00 a garrafa. A grande maioria é claro, importados diretamente pela rede.
6. Como é possível ter margem de lucro (rede e produtor) se considerarmos que neste preço estão incluídos IPI, ICM, despesas aduaneiras, frete, garrafa, rolha, rótulo, caixa e vinho?
7. Está certo que estes países tem alta produtividade e baixos custos mas é feito de uva ou de arroz? É rolha ou tampão de pano? É garrafa de vidro ou PET? É caixa ou engradado?
8. Não há como explicar este milagre à luz da carga tributária brasileira que “carrega” Funrural, PIS, COFINS, IR, ICM, IPI e uma dezena mais que não recordo, além dos tributos pagos na mão de obra, municipais, etc.
9. O mercado consumidor brasileiro é formado por 10% de pessoas que gostam e sabem beber vinhos, tem poder aquisitivo e adquirem seus bpns produtos de importadoras que contribuem para expandir o mercado de qualidade e 90% de pessoas que gostam de vinho, são atraídas por seus encantos, seu “valor social” (é chique beber vinho, se for tinto melhor porque é o verdadeiro vinho, o homem moderno tem de beber e entender de vinhos, etc. ) e o adquirem em supermercados com um olho na origem (importado sempre é melhor, dá status, impressiona mais, etc) e outro no preço (que não dá para jogar dinheiro fora). Esta postura dos 90% é resultante da imagem que estes consumidores tem do vinho importado e nacional: o primeiro é bom e barato, o segundo quando é bom é caro.

Ante esta situação e ante a necessidade de manter o mercado crescendo para que haja lugar para todos, considerando ainda que o vinho importado realiza um papel importante neste crescimento, ao menos até que o os esforços do Ibravin resultem numa mudança da imagem citada acima, A SOLUÇÃO NÃO É AUMENTAR A CARGA TRIBUTÁRIA DOS VINHOS IMPORTADOS E SIM DIMINUIR A DOS VINHOS NACIONAIS.
Aumentando a carga de uma das partes faremos felizes nossos piores sócios (governos municipal, estadual e federal) e daremos exemplo para que mais cedo ou mais tarde aumentem a carga da outra parte.
Seria salutar também para todos e em especial para os órgãos arrecadadores, entender melhor o milagre dos vinhos com preços em prateleiras abaixo de R$ 10,00, Acharão oportunidades de recuperar arrecadação perdida ou acharão inspiração para entender a absurda e feroz carga tributária interna.
Acho que diminuindo a carga tributária dos vinhos nacionais, com a concordância dos principais países exportadores, e fazendo conjuntamente ações que busquem o aumento do consumo de vinhos no Brasil, o futuro será brilhante para todos. Não podemos nos conformar com os ridículos 2 litros consumidos por habitante / ano.

5 comentários:

Schiffini's disse...

Caro amigo Lona,
foi muito lúcido seu comentário/sugestão.
Será que os burrocratas do vinho, aí no Sul não conseguem entender isso.? Eles devem lutar para aumentar as vendas dos vinhos nacionais de qualidade e não tentar proibir (através do aumento de impostos) a chegada de bons vinhos estrageiros, dando grana para o governo......Schiffini

Tiago disse...

Prezado Adolfo
Seu comentário está mais uma vez muito bom, muito correto e extremamente bem escrito.
Infelizmente, como tudo na vida, as coisas acabam tomando o curso mais fácil: aparentemente é bem mais simples sobretaxar os vinhos importados do que reduzir impostos dos produtos nacionais e criar meios para que os 90% de consumidores pré-conceituados experimentem e valorizem o vinho nacional.
Os blogueiros de modo geral - assim como os outros 10% de consumidores (onde eu espero estar incluso) - estão um tanto chateados. Afinal, via de regra, tudo o que é "imposto" normalmente não é bom, se não não teria este nome não é mesmo?
Parabéns pelo seu post. Tomara que os homens lá de cima se conscientizem e passem a mirar no alvo certo.
Um abraço
Tiago Bulla
www.universodosvinhos.com

Ulf Karlholm disse...

Prezado Adolfo,
Concordo, vinhos importados realmente baratos são do Uruguai, Chile e Argentina. Vinhos vendidos nos supermercados onde o preço na importação é perto do valor das rolhas, cápsulas, rótulos e garrafas. Para pequenos produtores isso seria o verdadeiro problema, não França, Portugal, Espanha, Austrália ou África do Sul. A medida não vai mudar nada com as importações do Uruguai e Argentina. Se no final de todo esse processo os vinhos da Austrália e Europa que custavam 45 reais no varejo agora vão custar 90 reais, será provavelmente irrelevante para menores produtores nacionais. Isso não vai ajudar em nada se o consumidor continuar a comprar Ariano ou Medrano (ou Almadém) por 11 ou 12 reais.
Abraços
Ulf
Abraços
Ulf

Marco Antônio Pacheco disse...

Prezado Sr. Lona
Fiquei feliz com seu comentário. A proposta de aumento tributário elevaria os preços de um bom vinho importado a um nível proibitivo e, de quebra, o nacional a um nível abusivo, castigando o consumidor e afastando novos públicos. Ninguém ganha com isso.
Marco Pacheco
médico

Marco Antônio Pacheco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.