Follow by Email

Total de visualizações de página

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

O Bolo




O IBRAVIN acaba de publicar através de sua Assessoria de Imprensa os dados do desempenho do mercado brasileiro de vinhos e espumantes, nacionais e importados.

Os números novamente comprovam a inutilidade das ações que o setor faz na procura do melhor desempenho dos produtos nacionais. A meu ver o furo é mais embaixo.

A comercialização de vinhos finos, aqueles elaborados com uvas de origem europeia, cresceu 10,40% mas infelizmente foram os vinhos importados os que tiveram bom desempenho, crescendo 13,77% ante um recuo de 2,83% dos nacionais.

Com isso a participação dos importados no mercado total subiu de 80% para 82% deixando para os nacionais somente 18% do bolo. Se estava ruim, ficou pior.

A queda das vendas também atingiu o mercado de espumantes que crescia constantemente nas últimas décadas. Caiu 10,20% com diminuição parelha entre nacionais e importados.

As justificativas dadas pelos representantes do setor são bastante conhecidas, aumento de impostos, crise financeira que atinge as famílias, contrabando, seca, chuva, etc.etc.

A pergunta é: essas variáveis negativas prejudicam somente os produtos nacionais? Porque os importados crescem fantásticos 13,77% e os nacionais caem 2,83%?

Porque na disputa dos mesmos consumidores, os importados ainda estão melhor na foto.

Não adianta o setor ficar focado no lançamento de vinhos premium e super premium a preços injustificáveis.

Não adianta o setor ficar repetindo velhas ações sem resultados práticos.

Não adianta o setor ficar desunido, praticando marketing predatório, as grandes cantinas brigando com as pequenas, os produtores de vinhos orgânicos colocando em dúvida a “naturalidade” dos outros vinhos, um desmerecendo o trabalho do outro, etc.

Assim, até as cervejas artesanais se transformarão num concorrente direto.

Enquanto não houver aumento do mercado, crescimento de consumidores novos, foco no consumo caseiro, diário, capaz de mudar hábitos e tornar o Brasil, ou parte dele, num país verdadeiramente vitivinícola, nada mudará.

Enquanto não houver união entre produtores nacionais, importados e importadores em torno de uma ação forte focada no aumento do mercado, a situação ficará igual ou pior.

É necessário aumentar o tamanho do bolo, até porque tem farinha para isso. Somos 206 milhões de pessoas e o consumo é ridiculamente baixo. Cada brasileiro consome anualmente 0,52 litros de vinhos finos, 0,10 litros de espumante e 0,81 litros de vinhos comuns. Isto é inferior a China, Paraguai e a Cochinchina.

Insisto e continuarei insistindo: somente uma campanha nacional e duradoura possibilitará chamar a atenção dos brasileiros para os benefícios do consumo de vinho e espumantes.

Não oferecemos uma bebida alcoólica, oferecemos momentos, histórias, vivências, sentimentos, prazer.

O IBRAVIN tem recursos para fazer um Encontro diferente aos já realizados com formadores de opinião, supermercadistas, sommeliers, jornalistas e outros.

Um Encontro com produtores nacionais e estrangeiros, importadores, representantes dos governos estaduais e federais dos principais países produtores, e técnicos do setor, para achar mecanismos que permitam arrecadar fundos pesados para manter uma campanha longa e duradoura de divulgação da INSTITUIÇÃO VINHO.

Tenho absoluta certeza que os países que trazem seus produtos ao Brasil, sabem do potencial que existe para aumentar o mercado.

Sabem que o Brasil é um dos poucos países que oferece oportunidades de crescimento já que o resto do mundo está saturado.

Sabem que o brasileiro é curioso, aberto a novos produtos e isso não se encontra facilmente.

Há tanto o que falar, há tanto o que disser, há tanto o que fazer que ficamos angustiados com a paralisia do setor que procura motivos para justificar o mau desempenho.

É necessário mudar a postura reativa pela postura proativa e se convencer, que se não conseguimos aumentar o bolo, sobrarão as migalhas.

4 comentários:

Cezar Duarte disse...

Parabéns pelo artigo, e obrigado por compartilhá-lo conosco. gostei das análises, além de que as estatísticas falam por si. Me chamou a atenção especialmente a frase "... foco no consumo caseiro, diário, capaz de mudar hábitos..." - não encontro no mercado um vinho nacional honesto na faixa de R$ 20,00 a R$ 30,00. Quando disponível, é ponta de estoque e, pior, na próxima compra parece outro vinho (geralmente de pior qualidade), não há manutenção de qualidade. Um casal, tomando uma garrafa de vinho por noite, nessa faixa de preço vai gastar cerca de Mil reais por mês (há dias que se consome vinhos superiores). A classe média brasileira deveria ter um vinho decente nessa faixa de preço. Eu encontro vinhos chilenos e argentinos aceitáveis nessa faixa de preço, já os nacionais, dificilmente.
Vinho para o diário, eis o foco.
Abraço.

Adolfo Lona disse...

Caro Cezar, obrigado pelo comentário. Concordo que o oferta de vinhos honestos na faixa de preço de R$ 20,00 a R$ 30,00 é pequena. O problema é que as pequenas cantinas não tem escala e as grandes não tem qualidade. Eu bebo diariamente os vinhos varietais da Aurora, em especial o Chardonnay, que se encontra na faixa dos R$ 25,00 e é muito agradável e constante. A solução é garimpar..e muitas das vezes, apanhar. Grande abraço

Rodrigo Lanari disse...

Bravo Adolfo! Gostei das suas palavras e estou aqui no mesmo barco pra colocar um fermento nesse bolo!

Adolfo Lona disse...

Obrigado Rodrigo, precisamos ficar unidos para tentar que algo mude se não passarão mais vinte anos....