Follow by Email

Total de visualizações de página

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Alckmin é o maior!!!!


Agora é oficial!!!

Foi publicada no DOSP a nova MVA (Margem de valor agregado) que será utilizada a partir de 1º de Setembro de 2013 para calculo do valor da Substituição Tributária que atingirá os preços dos vinhos e espumantes que entrarem no estado de São Paulo.
O Decreto foi assinado no calar da noite do dia 28 de junho.

O valor da MVA passou de 68,24% para 109,63% e o novo cálculo é o que mostro no quadro acima tomando como exemplo um produto cujo preço final, com um valor imaginário de IPI de R$ 1,50, é de R$ 21,50. Este valor seria o que o cliente pagaria caso não existisse a maldita ST e ainda, pagaria com um prazo de 28 dd.

Como funciona a “mardita ST”:

Acrescenta ao valor total (R$ 21,50) a porcentagem de 68,24 (em setembro 109,63), valor que as cabeças pensantes e maléficas do governo de SP estimam que seja a margem do revendedor.

Sobre este valor resultante, R$ 36,17 hoje e R$ 45,07 em setembro, se aplica a alíquota de 25% que é o valor do ICM a pagar. No caso dá R$ 9,04 agora e R$ 11,27 (!!!) em setembro.

A este valor se subtrai o ICM de 12% já embutido no preço sem IPI, R$ 2,40 agora e o mesmo valor em setembro.

O valor final é R$ 6,64 agora e R$ 8,87 em setembro é a ST que eu pago e cobro de meu revendedor, ele meu revendedor repassa e você leva na cabeça. O custo final do produto ficou 30,90% maior agora, passando dos R$ 21,50 iniciais para R$ 28,14 e ficará 41,24% maior em setembro passando dos mesmos R$ 21,50 para R$ 41,24.

O pior de tudo é que este valor é pago antes de embarcar, ou seja o Sr. Alckmin garante o seu antes da venda. Como as vendas são geralmente a 28 dd. no mínimo da cantina para o revendedor e pelo menos dois meses mais para chegar ao público, todos estamos financiando o caixa do governo.

O Governador Alckmin conseguiu a proeza de ter a ST mais cara do Brasil. Ou seja, não é meter a mão no bolso de todos nós, é ser quem mais retira de todos os estados brasileiros.

Agora entendo de que forma o excelente político e administrador Geraldo Alkmin vai recuperar os recursos “perdidos” ao baixar o preço desonesto das passagens de ônibus. Do aumento da carga tributária de diversos produtos. Começou no vinho, seguira com outros.

Diminuir o tamanho da paquidérmica máquina pública paulista? Nem pensar!!!

Diminuir o desperdício, o roubo, o desvio de recursos nas obras públicas? Nem pensar!!!

Está louco fazer isso!!! Com que dinheiro vamos pagar nossos aliados, nossas alianças, nossas “despesas” da próxima campanha?.

Governador Alckmin, a cadeia produtiva de uva e do vinho lembrará de si a cada nota fiscal emitida para o estado de São Paulo.

Governador Alckmin, essa cadeia produtiva não é formada por executivos engravatados, daqueles que o senhor respeita, teme e precisa, é formada por famílias de agricultores simples, honestos, trabalhadores que diuturnamente dedicam seus esforços para produzir com sabedoria as uvas e os vinhos que o senhor tanto castiga. Essa cadeia produtiva é formada por milhares de pequenas cantinas, algumas delas já fechando, que são orgulho do Brasil pela qualidade de seus produtos.

Governador Alckmin, pense bem, reflita, volte atrás.
Nos dê motivos para erguer uma taça de vinho ou espumante em sua homenagem.
Evite que ergamos uma taça de vinagre, ainda com o risco de sermos presos por terroristas, como forma de protesto.

3 comentários:

João Filipe S. Gil Clemente disse...

E tem mais meu caro Adolfo! Como as margens são calculadas sobre o preço bruto de compras e estimando-se que um comerciante use 30% (bem comedido)como cálculo, isso significa mais R$1,80 a 2,00 no preço! Só no nosso, enquanto isso "eles" seguem torrando voando o país às nossas custas, mentindo em rede nacional, é o samba do crioulo doido!

Epifânio Augusto Galan disse...

Belo artigo, sr. Adolfo!
O duro é ainda vermos personalidades do mundo do vinho defendendo esse canalha!

Grande abraço.

Epifânio Galan - Vinho SIM - www.vinhosim.com.br

Adolfo Lona disse...

Meus caros João Felipe e Epifânio: É um absurdo!! Pagamos ICM sobre um valor irreal e para piorar pagamos antes. Ou seja a arrecadação não cresce pelo aumento de negócios e sim pelo aumento indireto da carga vergonhosa que cai sobre todos nós. Vocês imaginaram que delicia de pais seria este quando se fosse governado por pessoas competentes e honestas?? Abraço